Coleiras – Conheça a Lei da Ação e Reação em cães

Categoria: Estilo de Vida e Viagem

Autor(a): Luelyn Jockymann | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 25/11/2013 - 11:26

  “Uma regra simples da física se aplica nos casos das caminhadas com seu cão: para cada ação há uma reação de igual intensidade”
Foto Meramente ilustrativa: Divulgação Coleiras – Conheça a Lei da Ação e Reação em cães

Foto Meramente ilustrativa: Divulgação Coleiras – Conheça a Lei da Ação e Reação em cães

 

Muita gente me faz essa pergunta logo que começa a freqüentar as aulinhas de obediência. A melhor coleira para seu cão é feita de couro ou nylon para ser usada no pescoço de cães que pesam até 3 kg. Os cães maiores do que isso devem usar um enforcador, que não machuca o cão quando usado corretamente.

Durante os passeios, você deve ter absoluto controle sobre o seu animal. Não só para segurança dele mesmo, como uma cortesia às outras pessoas. Nem todo mundo gosta de cães e, se todos resolverem passear sem a  guia, viraria uma bagunça, certo? Existem muitas pessoas mal-educadas que insistem em passear com seus cachorros soltos, o que pode resultar em atropelamentos e brigas de cães. Então, vamos escolher uma coleira para o seu pet.

Uma regra simples da física se aplica nos casos das caminhadas com seu cão: para cada ação há uma reação de igual intensidade. Se o seu cão puxa a coleira andando à sua frente e você tenta puxá-lo pra trás, cada vez ele fará mais força para fugir ao seu controle.

Todos os cachorros devem ter aulas de obediência e de como andar na coleira. Os passeios não devem ser uma tortura nem uma aula de musculação para um braço só. Eu sei, parece impossível conseguir que seu pequeno ande ao seu lado, mas acredite, é bem mais simples do que parece.

A primeira regra sobre coleiras: jamais use um peitoral. A não ser que você seja dono de um Pit Bull que participe de provas de arrastar peso. Caso contrário, essa é a coleira preferida dos puxadores. Acho que deve ter sido inventada por um cão! Que tipo de coleira os cães de trenó usam??? Um peitoral, o que facilita imensamente o trabalho deles. Então, isso significa que dificulta o seu. Jamais use peitorais em passeios, a não ser que seu cão tenha algum problema nas vértebras cervicais  ou respiratório, e não possa usar outro tipo de aparato. Não use também as que possuem grampos, pois essas são desumanas e perigosas.

Se o seu cão é um Yorkshire, um Chihuahua ou um filhote, você deve escolher uma coleira delicada o suficiente para não machucá-lo. Qualquer puxão mais forte pode e vai ferir o pescocinho dele. Além disso, convenhamos, andar com um Pinscher puxando a guia não deixa ninguém cansado. Você pode corrigi-lo, mas tenha cuidado ao fazê-lo.

As demais raças podem usar um enforcador, que é aquela corrente que passa por dentro de dois elos.Elas funcionam muito bem como corretivos, já que aplicam uma tensão intermitente ao redor do pescoço do cão. Elas devem ser colocadas ao redor da cabeça, de forma que fiquem totalmente soltas, caso não se aplique tensão sobre elas.

A corrente deve correr livremente por dentro do elo, se puxada, e não dar a volta sobre ele. O objetivo do enforcador é fazer com que o cão não perceba que está usando nada. Ele deve permanecer frouxo ao redor do pescoço durante todo o passeio, assim como a guia, que deve ficar sempre relaxada. Isso serve também para as coleiras de couro. Os cães devem passear como se estivessem livres e só devem ser corrigidos se começarem a puxar.

Preste atenção nas dicas a seguir que valem para os dois tipos de coleira:

 
• Deixe mais ou menos 50 cm de guia entre sua mão e o cão.

• Peça ao cão que sente de vez em quando, se ele souber obedecer a esse comando.

• Nunca deixe que o cachorro puxe a guia até que fique esticada. Ela deve permanecer frouxa.    

 • Se o cão começar a puxar a coleira, dê um puxão firme na guia e mude de direção imediatamente.

• Diga “Muito bem, anda” assim que ele voltar a andar com a guia solta.

• O cão deve aprender que a guia deve ficar frouxa e que ele não deve puxá-lo.

• Sempre que você estiver andando e a guia estiver solta, diga “Muito bem, anda” e recompense-o. Não deixe o bom comportamento passar despercebido.

• Pratique direita, esquerda e meia-volta.

• Faça com que o seu cachorro aprenda corretamente, proporcionando a ele algum exercício aeróbico antes de cada sessão de treinamento. Ele dificilmente puxará a guia se estiver cansado.

            Evite, também, andar em linha reta. Em princípio, faça oitos mais fechados, para que vá ganhando controle e, em seguida, vá abrindo-os cada vez. Procure fazer os exercícios e caminhadas no meio da rua, onde os cheiros não são tão apelativos como os da calçada. Se mesmo assim ainda não conseguir fazer um passeio agradável com seu cãozinho, não hesite, contrate um adestrador de confiança. Garanto que sua vida vai mudar leitores da Cães Amigos!



Luelyn Jockymann, médica veterinária especialista em comportamento de cães e gatos
luelyn@terra.com.br